ÁREAS DE ATUAÇÃO
Societário
Fusões e Aquisições
Investimentos Estrangeiros
Imobiliário
Soluções de Controvérsias
Família e Sucessões
Compliance no Combate à Lavagem de Dinheiro nos Negócios
Mercado de Capitais
Contratos
Tributário
Financiamentos Estruturados
Antitruste
Telecomunicações
Trabalhista
Notícias
TJMS mantém indenização por poluição sonora e perturbação do sossego « Ver Todas
Os desembargadores da 2ª Câmara Cível, em decisão unânime, negaram provimento à apelação interposta por N.S.R., inconformada com a sentença em ação de indenização por danos morais que moveu em desfavor de M.F.D., sendo esta condenada ao pagamento de R$ 5.000,00 por realizações de festas que resultaram em poluição sonora e perturbação do sossego, havendo inclusive condenação na esfera criminal.
Inconformada com o valor da indenização, a apelante alega que R$ 5.000,00 não condizem com os constrangimentos sofridos pelo ato lesivo e conta que teve que se dirigir ao local por diversas vezes para que a apelada encerrasse as festas, recebendo respostas ofensivas presenciadas pelos demais vizinhos.
Afirma que M.F.D. é reincidente em perturbar o sossego alheio e que estava grávida na época dos fatos, não podendo permanecer em sua própria casa por causa do som alto. Diante disso, pede a majoração da indenização por danos morais. Em seu voto, o juiz convocado José Ale Ahmad Netto entendeu que o recurso não merece prosperar e explicou que o valor da indenização por dano moral deve ser suficiente para servir de desestimulo à prática de novos atos e indenizar a ofensa sofrida pela parte lesada e que a quantificação do dano moral não possui parâmetro para aferi-lo, ficando sob avaliação justa do magistrado em cada caso.
Lembrou atual orientação do STJ e ressaltou que a extensão do sofrimento da autora é proporcional em relação à fixação imposta, pois foram observadas a extensão do constrangimento e as consequências decorrentes do ato lesivo.
“Ainda que não há comprovação de que a apelada goze de estado financeiro confortável o suficiente para se considerar o valor da indenização como insignificante, ressalte-se a vedação ao enriquecimento sem causa. Diante do exposto, nego provimento ao recurso”.
Processo nº 0002905-53.2009.8.12.0001
http://www.tjms.jus.br/noticias/visualizarNoticia.php?id=28372
NOTÍCIAS
07/06/2018
TRT-MG: Juiz defere horas extras a professora que ministrava curso a distância por acesso remoto


07/06/2018
STJ: Provedor é obrigado a identificar autor de ato ilícito mesmo antes do Marco Civil da Internet


06/06/2018
STJ: Herdeiro pode pleitear usucapião extraordinária de imóvel objeto de herança


05/06/2018
TRT2: Declaração de pobreza do empregado é suficiente para concessão da justiça gratuita


Rua Augusta, 1819 - 24º andar - CEP 01413-000 - Tel: (11) 3372-1300 Fax: (11) 3372-1301 - São Paulo SP / Brasil
Criação de Site: R2Labs
Twitter LinkedIn Facebook Orkut Digg Del.icio.us Facebook Twitter