ÁREAS DE ATUAÇÃO
Societário
Fusões e Aquisições
Investimentos Estrangeiros
Imobiliário
Soluções de Controvérsias
Família e Sucessões
Compliance no Combate à Lavagem de Dinheiro nos Negócios
Mercado de Capitais
Contratos
Tributário
Financiamentos Estruturados
Antitruste
Telecomunicações
Trabalhista
Notícias
TRF1: Acesso impedido à agência bancária por porta giratória não configura dano moral « Ver Todas
A 6.ª Turma do TRF da 1.ª Região, em votação unânime, negou provimento à apelação de cliente barrada pela porta giratória de uma agência da Caixa Econômica Federal (CEF), que busca indenização por danos morais. A sentença recorrida foi proferida pelo Juízo da 8.ª Vara Federal de Minas Gerais, que julgou improcedente o pedido.
A apelante alegou que teria sofrido abalo psíquico, uma vez que o ocorrido durou mais de duas horas e só foi solucionado após a chegada da Polícia Militar. Argumentou, ainda, que o fato de ter sido atendida pelo gerente na sala reservada aos caixas eletrônicos fez com que se sentisse como uma criminosa.
O relator do processo, desembargador federal Jirair Aram Megueriam, afirmou, seguindo jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que o impedimento da entrada por travamento de porta giratória e consequente atendimento prestado pelo gerente em área externa da agência constituem mero aborrecimento, não ensejando o pagamento de indenização por danos morais. “As medidas adotadas pela segurança e pelo preposto da instituição financeira são medidas legítimas, visando assegurar a integridade física de clientes e empregados. Não restou demonstrado nos autos que tenha havido excessos na abordagem”, ratificou.
O magistrado ressaltou que a própria testemunha arrolada pela autora não descreveu situação vexatória ou humilhante, em que tenha havido qualquer insinuação maldosa por parte de quem quer que seja, a não ser o fato de que a norma interna da instituição financeira, com o intuito de proteger a integridade de seus clientes, veda o ingresso, em suas dependências, de pessoas barradas pelo detector de metais.
O relator citou, ainda, jurisprudência deste Tribunal no sentido de que “não configura conduta ilícita a dificuldade em acessar agência bancária, por ter sido barrada na porta giratória. Mesmo porque, o uso de porta giratória é uma medida de segurança para os bancos e em benefício dos clientes, diante da crescente onda de violência” (AC 0004982-52.2007.4.01.3814/MG, rel. desembargador federal Carlos Moreira Alves, rel. conv. juíza federal Hind Ghassan Kayath, 6.ª Turma, e-DJF1 de 25/03/2013 p.92).
Processo n.º 0010457-94.2008.4.01.3800
http://portal.trf1.jus.br/portaltrf1/comunicacao-social/imprensa/noticias/acesso-impedido-a-agencia-bancaria-por-porta-giratoria-nao-configura-dano-moral.htm
NOTÍCIAS
19/06/2019
STJ: Hipótese de fraude autoriza indisponibilidade de bens de participantes do ilícito que não const...


18/06/2019
Prefeitura SP: Portões automáticos residenciais não precisam mais de alerta sonoro e luminoso


14/06/2019
TJSP: Tribunal julga extinta execução contra empresa em recuperação


14/06/2019
STJ: Provedor de internet tem obrigação de fornecer IP de usuário que invadiu e-mail


Rua Augusta, 1819 - 24º andar - CEP 01413-000 - Tel: (11) 3372-1300 Fax: (11) 3372-1301 - São Paulo SP / Brasil
Criação de Site: R2Labs
Twitter LinkedIn Facebook Orkut Digg Del.icio.us Facebook Twitter