ÁREAS DE ATUAÇÃO
Societário
Fusões e Aquisições
Investimentos Estrangeiros
Imobiliário
Soluções de Controvérsias
Família e Sucessões
Compliance no Combate à Lavagem de Dinheiro nos Negócios
Mercado de Capitais
Contratos
Tributário
Financiamentos Estruturados
Antitruste
Telecomunicações
Trabalhista
Notícias
TRF4: Status de refugiado a estrangeiro não dá o direito de familiares entrarem no país sem visto « Ver Todas
A concessão de status de refugiado a estrangeiro não gera o direito de familiares entrarem no Brasil sem visto. Sob esse entendimento, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou liminar para que a esposa e os cinco filhos de um migrante haitiano ingressassem em território nacional, por via aérea, sem autorização da União. 

Jasnave Francique e sua mulher, ambos haitianos, foram para a República Dominacana depois do terremoto que devastou o país em 2010. Ele veio para o Brasil por intermédio de atravessadores (conhecidos popularmente como coiotes). Após entrar no país pela fronteira do Acre com a Bolívia, o migrante chegou a Florianópolis, onde recebeu abrigo em uma igreja. Jasnave legalizou sua situação em 2013. 

O estrangeiro recorreu à ajuda da Defensoria Pública da União (DPU) em 2015 depois de sua família ter a solicitação de visto negada pelo consulado brasileiro na República Dominicana. Segundo a União, os estrangeiros não atenderam aos requisitos obrigatórios. 

A DPU moveu a ação contra a União alegando que a negativa de visto à família de Jasnave fere a dignidade da pessoa, a unidade familiar e os tratados internacionais de Direitos Humanos, aos quais aderiu o Brasil. De acordo com o órgão, a família dele estaria submetida aos riscos de uma travessia ilegal. 

Em primeiro grau, o pedido foi negado e a DPU apelou ao TRF4. 

A desembargadora federal Marga Inge Barth Tessler, relatora do processo na 3ª Turma do tribunal, negou o recurso. Conforme a magistrada, a regularização de refugiado não gera direito automático a terceiros, uma vez que “a concessão do visto é manifestação da soberania nacional, sendo defeso ao Judiciário imiscuir-se na matéria, salvo para o exame de alguma irregularidade formal”. 

http://www2.trf4.jus.br/trf4/controlador.php?acao=noticia_visualizar&id_noticia=11683
NOTÍCIAS
27/08/2018
TJSC: Cotidiano de discussões e brigas retira duas crianças do poder familiar negligente


23/08/2018
TST: Cancelamento de contratação resulta em indenização a candidato a emprego


23/08/2018
TJES: Homem é condenado a se retratar em rede social após acusar empresário de ser mau pagador


23/08/2018
STJ: Dissolução superveniente da pessoa jurídica autora não impede prosseguimento de ação


Rua Augusta, 1819 - 24º andar - CEP 01413-000 - Tel: (11) 3372-1300 Fax: (11) 3372-1301 - São Paulo SP / Brasil
Criação de Site: R2Labs
Twitter LinkedIn Facebook Orkut Digg Del.icio.us Facebook Twitter