ÁREAS DE ATUAÇÃO
Societário
Fusões e Aquisições
Investimentos Estrangeiros
Imobiliário
Soluções de Controvérsias
Família e Sucessões
Compliance no Combate à Lavagem de Dinheiro nos Negócios
Mercado de Capitais
Contratos
Tributário
Financiamentos Estruturados
Antitruste
Telecomunicações
Trabalhista
Notícias
Turma mantém penhora sobre meação da esposa « Ver Todas
Publicada originalmente em 23.10.2012
A 9ª Turma do TRT-MG julgou desfavoravelmente o recurso da esposa do reclamado, que não se conformava com a penhora sobre bem imóvel, cuja metade lhe pertence. Isso porque o casal contraiu núpcias em regime de comunhão universal de bens, o que faz com que todos os bens e as dívidas se comuniquem. Além disso, não houve prova de que o negócio do marido não tenha beneficiado toda a família.
Segundo esclareceu o juiz convocado Jessé Cláudio Franco de Alencar, a esposa do reclamado, não sendo parte no processo, apresentou embargos de terceiro, alegando que foi privada, de forma forçada, da posse do seu bem, em decorrência de penhora realizada, visando ao pagamento do crédito trabalhista. Analisando o caso, o relator observou que ela é casada sob o regime de comunhão universal de bens com o executado. "Ao contrário do que sustenta a agravante, a penhora sobre bem comum do casal é válida e pode servir para a satisfação da dívida trabalhista, inclusive no que toca à parte da meação da esposa", frisou.
O magistrado destacou que o artigo 1667 do Código Civil dispõe que o regime de comunhão universal tem como consequência a comunicação de todos os bens e dívidas dos cônjuges. Em outras palavras, no regime sob o qual a recorrente se casou com o reclamado, as dívidas se comunicam, pois se presume que elas foram contraídas em benefício da família. Como não há prova em contrário, considera-se que os frutos obtidos pelo executado, por meio da atividade empresarial exercida, e que gerou o crédito do empregado, reverteram-se em vantagens para toda a família, incluindo a esposa. "Por esse motivo, deve ela responder com sua meação sobre os bens do casal. Inexistindo ilegalidade na penhora, não há razão para a sua desconstituição", finalizou o juiz convocado, mantendo a penhora do imóvel.
( 0000579-37.2012.5.03.0092 AP )
Fonte: http://as1.trt3.jus.br/noticias/no_noticias.Exibe_Noticia?p_cod_noticia=7645&p_cod_area_noticia=ACS, 01.01.13
NOTÍCIAS
19/06/2019
STJ: Hipótese de fraude autoriza indisponibilidade de bens de participantes do ilícito que não const...


18/06/2019
Prefeitura SP: Portões automáticos residenciais não precisam mais de alerta sonoro e luminoso


14/06/2019
TJSP: Tribunal julga extinta execução contra empresa em recuperação


14/06/2019
STJ: Provedor de internet tem obrigação de fornecer IP de usuário que invadiu e-mail


Rua Augusta, 1819 - 24º andar - CEP 01413-000 - Tel: (11) 3372-1300 Fax: (11) 3372-1301 - São Paulo SP / Brasil
Criação de Site: R2Labs
Twitter LinkedIn Facebook Orkut Digg Del.icio.us Facebook Twitter